Norah Jones – Little Broken Hearts (2012)

Norah Jones dá a cara a tapa em seu novo álbum. Há 3 anos a compositora e seu amigo Brian “Danger Mouse” Burton se juntaram em segredo e iniciaram o projeto que viria a se tornar Little Broken Hearts. Os dois tocam praticamente todos os instrumentos do disco tendo colaboração externa apenas em algumas faixas. Norah disse em entrevista que foi a primeira vez em que ela entrou em um estúdio sem qualquer canção minimamente imaginada. Algumas faixas foram feitas neste período, mas o restante delas foi composta depois do difícil término (já em 2011) de namoro da cantora – e adianto logo, estas são as pérolas de Little Broken Hearts.

LBH não se parece nada com o que ouvimos da cantora até agora. Todas as canções são absurdamente redondas – não adianta protestar, é o estilo da compositora por mais que tenha uma formação em matrizes do jazz e do blues. Tudo é lindamente estruturado e lógico nas canções de Norah, e isso é ótimo porque lhe dá a segurança que precisa para arriscar um tipo de música que lhe é novo. Sintetizadores, guitarras, bateria e, é claro, muito piano trabalham juntos e flertam com o jazz, o pop, a música eletrônica e até mesmo o rock. A arte do disco é inspirada em um poster do filme Mudhoney com o qual Norah se deparava semqre que ia ao apartamento de Burton:

O álbum começa com a bonitinha mas ordinária Good Morning – quase que numa tentativa de não espantar seus antigos fãs Norah Jones e Burton vão introduzindo cautelosamente os novos elementos do disco nesta faixa. Say Goodbye é uma ótima e divertida canção onde duas pessoas se ameaçam com a verdade You don’t have to tell the truth/ ‘Cause if you do I’ll tell it too. Em seguida vem a lindíssima Little Broken Hearts que, para mim, está em diálogo (não intencional) com Eleanor Rigby dos Beatles. A letra é sensacional, delicada, cínica, amarga, tudo ao mesmo tempo. She’s 22 é uma balada que lembra um pouco da velha Norah, mas sem fugir completamente da proposta instrumental do álbum. Take it Back teve grande repercussão entre os críticos por causa dos vocais distorcidos e as guitarras “assustadoras” – uma das melhores do CD, sem dúvida. O trabalho prossegue com uma boa sequência de After the Fall, 4 Broken Hearts, Travellin’ On e Out on the Road (todas ótimas, com destaque para a primeira e a terceira). Já na parte final temos a divertida Happy Pills escolhida como primeiro single do disco antes de encerrar com a boa Miriam e a inspirada All a Dream.

LBH é um álbum para aqueles desacreditados das pessoas e do amor – não tem surpresa, isso já está previsto no título. E tudo bem, os melhores álbuns são mesmo assim. Resta saber se este disco será um pequeno desvio na carreira da compositora ou uma mudança ousada de trajeto. Seja como for estamos agradecidos pela coragem e pelo trabalho magistralmente realizado por Norah Jones e Brian Burton.

Anúncios

One thought on “Norah Jones – Little Broken Hearts (2012)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s